Planetóide X

Skyfall é excelente. Mas...

09:04 José Guilherme Wasner Machado 2 Comentários Categoria: , ,


Apenas um breve comentário (sem spoilers) sobre Skyfall, a última aventura de 007 nos cinemas. Lembrando sempre que meu ponto de vista é o de um cinéfilo. Não sou crítico cinematográfico. O texto abaixo tampouco pretende ser uma resenha completa, mas tão somente abordar um aspecto em particular dessa ótima produção.

Sim, Skyfall é um filmaço. É realmente merecedor de todos os elogios rasgados que anda recebendo da imprensa especializada. Mas não é o melhor da série, como a crítica inglesa apontou. Bem, pelo menos na minha opinião, ainda não chegaram lá. Continuo achando From Russia with Love o melhor até hoje. Mesmo na era Craig, considero Casino Royale superior. Isso não se deve a algum pretenso "defeito" dessa nova produção. Se Skyfall fosse um mero filme policial, nos moldes de um Duro de Matar, teria poucas reclamações a fazer. Mas esse não é um mero filme policial, e James Bond não é John McClane. Quando assistimos a um 007, não esperamos apenas "aventura e ação", mas "aventura e ação" dentro de um setting bem peculiar, característico de uma série que tem mais a ver com o gênero espionagem do que com o policial.

Vou usar aqui uma analogia, para tentar explicar melhor o que sinto em relação a Skyfall: se, em um novo filme de Indiana Jones, boa parte da ação se passar em Nova York, ou, pior, no terreno da faculdade onde Indy leciona, e se tudo isso pouco ou nada tiver a ver com arqueologia, mas sim com proteger Marion de bandidões, bem... por mais bem feita e inteligente que essa produção seja, eu não ficarei satisfeito. Quero ver Indy em locações exóticas, correndo atrás de artefatos raros, decifrando pistas históricas, etc. Sem essas características básicas de setting, seria apenas mais uma aventura genérica. Não quero ver Indy transformado em mais um "policial" como tantos outros.

Esse é o problema da segunda metade de Skyfall. Não temos 007 fazendo coisas "zerozeroséticas". Não me entendam mal. Fico feliz pelos produtores terem boicotado de vez os vilões megalomaníacos, as engenhocas tecnológicas absurdas e as cenas de ação completamente irreais. Mas não deveriam ter esquecido, a certa altura da trama, de que esta é uma série de espionagem, e não policial. O que é uma lástima. Tivesse Skyfall seguido o padrão da primeira metade do filme, este sem dúvida poderia ter sido o melhor da franquia. Para piorar, nessa segunda metade, as decisões de 007 acabam não fazendo muito sentido, mas eu vou parar por aqui para evitar spoilers.

Alguém se lembra, por exemplo, de Licence to Kill, com Timothy Dalton? Este é outro exemplar da série que, em certo momento, esqueceu que deveria ser um "filme de 007" (ou, pelo menos, um filme de espionagem), e virou uma mera história policial como tantas outras. E, por isso mesmo, completamente esquecível. É injusto comparar Skyfall com Licence to Kill. Skyfall é muito superior. Mas é inevitável a sensação de perda pela segunda metade dessa produção não seguir os mesmos moldes da primeira. Do jeito que foi, tornou-se um ótimo filme de ação, mas um 007 apenas satisfatório. Poderia ser mais.

Uma nota de rodapé: detivesse eu os direitos, assim que terminasse o ciclo "Daniel Craig", levaria a franquia de volta ao final dos anos 50 ou início dos anos 60. Sim, situando a série em plena Guerra Fria, e com uma abordagem tão realista e adulta como a dos últimos filmes. Seria muito legal ver 007 se infiltrando atrás da Cortina de Ferro (especialmente em países do Leste Europeu), para roubar segredos, combater agentes duplos e ajudar aliados a escapar. Com toda a inteligência soviética atrás dele. Isso traria frescor à série e, ao mesmo tempo, forneceria muito material "zerozerosético" para se trabalhar. E sem cair na caricatura dos antigos filmes. Barbara Broccoli, qualquer coisa, estamos aí.

OUTROS POSTS

2 comentários

Por favor, fique à vontade para comentar, é um prazer saber sua opinião. Seja ela contra, a favor, ou muito antes pelo contrário. Não será permitido trolling, bullying, spam, preconceito e ataques meramente pessoais ou destrutivos.